O nosso framework de competências


Em nossa visão, competências são processos integradores dos domínios das habilidades, dos conhecimentos e do afetivo, ideia proposta originalmente por Benjamin Bloom e colaboradores. Tais processos permitem a realização de tudo que desejamos em nossas vidas, seja no nível pessoal, seja no nível profissional. Exemplos de competências são a solução de problemas, a tomada de decisão, a gestão da informação. Competências transformam o potencial humano em ações de real valor pessoal e profissional, e tal valor é medido pelo desempenho apresentado por cada um de nós, em nossas vidas.

Competência é a capacidade de identificar uma situação específica e a enfrentar, pela avaliação inicial de seus componentes e posterior proposição de alternativas para sua solução, decisão ou otimização.

Por sua vez, habilidades são talentos utilizados para se executar ou completar uma tarefa específica da competência maior ("saber fazer" - o método, os meios). Por exemplo, programar um computador, trabalhar uma planilha eletrônica. Habilidades dizem respeito à formação e atuação técnicas - as hard skills.

Conhecimentos são os conteúdos, fatos, definições, princípios, conceitos e descrições trabalhados pelo aprendente ("o que saber") na construção de dada competência, e base para a aplicação das habilidades. De acordo com Anderson & Krathwohl, podem ser dos tipos factual, conceitual, procedural e metacognitivo (raciocínio sobre o conhecimento).

Já o domínio do afetivo trata dos interesses, valores, crenças, atitudes, sentimentos, emoções e caráter que guiam a construção das competências. Das três divisões apresentadas, é a mais difícil de se avaliar ou quantificar. Podem ser características comportamentais (soft skills: emoção, ética, moral, valores pessoais, engajamento numa atividade, proatividade) e, também, socioemocionais (autoconhecimento, autoestima, resiliência, resistência à frustração, trabalho sob pressão, equilíbio emocional, persistência).

Podemos, assim, denominar uma capacidade de competência a ação de uma habilidade (modo de operação) sobre uma base de conhecimento, regulada por processos atitudinais. É uma ação que gera os resultados esperados. É a competência realizada.

Para Bloom, uma sociedade que dá tanto valor à educação e à escolaridade, a ponto de obrigar o indivíduo a frequentar a escola por tão longo período de tempo, deve se esforçar por tornar a educação atraente e significativa para o aluno. As sociedades modernas não podem mais se limitar a selecionar talentos; precisam encontrar meios de produzir talentos. Para nós, esses talentos são identificados pelas competências reais e efetivas que apresentam. Mesmo que a escola nem sempre desenvolva tais competências nos níveis que serão demandados na vida futura do educando, elas podem ser planejadas, desenvolvidas e aplicadas, e é exatamente esta a visão que aqui propomos com o nosso modelo de gestão de competências.

Nosso sistema se apresenta como um “framework”, que é mais do que um aplicativo ou sistema formal: parece-nos que deveria ser aplicado individualmente e de forma específica, consideradas as individualidades que cada um de nós apresenta. É aplicação muito pormenorizada, que não permite generalizações de qualquer espécie, sob o risco de ser mal utilizada e interpretada. A classificação de competências proposta nos parece adequada, pois reflete de forma integrada o que entendemos por tal conceito e o que a vida realmente demanda, a despeito do que a educação formal pode prover. De nada adianta falar de competências profissionais, como se elas fossem distintas e segregadas daquelas pessoais. Nosso modelo considera, então, um desenho integrado - profissional e humanístico.

Acima ainda da estrutura proposta por Bloom e colaboradores das habilidades, conhecimentos e atitudes, concebemos uma taxonomia baseada nas grandes divisões da Filosofia, pois antes dos 'meios' devemos tratar dos 'fins'. É o que denominamos Domínio. E dentro de cada domínio, aí sim, propomos Grandes Grupos, aos quais chamamos efetivamente de competência, e para cada competência destas sugerimos habilidades, conhecimentos e atitudes que comporão o nível maior que os contém.

Em suma,

++ DOMÍNIO EPISTEMOLÓGICO: trata das competências relacionadas à dimensão do cognitivo (reflexão sobre o mundo) - as questões do conhecimento, do raciocínio, da lógica, do racional.

++ DOMÍNIO ONTOLÓGICO: trata das competências relacionadas à dimensão da realidade e de nossas relações com o mundo, em suas complexidades. Em especial as questões da informação e da comunicação.

++ DOMÍNIO AXIOLÓGICO - ÉTICO, POLÍTICO, ESTÉTICO, AFETIVO, ATITUDINAL: trata das competências relacionadas ao certo e ao errado, ao valor, às atitudes, à emoção, à cidadania, à alteridade.



"A Academia de Atenas" -- Rafael
Fonte: https://www.culturagenial.com/a-escola-de-atenas-de-rafael-sanzio/